A história da integração laboral de Carlos Gomes na Casa Angola Internacional

A história da integração laboral de Carlos Gomes na Casa Angola Internacional

Carlos Gomes estava desempregado desde 2017. Nesse mesmo ano, participou em vários workshops no Centro de Reabilitação de Areosa (CRA), em Rio Tinto, uma entidade da Segurança Social destinada a apoiar crianças, jovens e adultos que, tal como ele, têm uma deficiência intelectual ou física.

O seu percurso e o do programa Incorpora Portugal uniram-se no Verão de 2021, quando, no CRA, lhe falaram deste programa de integração laboral e das portas que a sua participação lhe poderia abrir, pois é um programa no qual participam várias entidades sociais espalhadas por todo o país que colaboram com empresas com responsabilidade social para favorecer a contratação de pessoas em risco de exclusão social.

A mudança que Carlos esperava: a sua integração laboral

Foi assim que Carlos começou a participar no programa Incorpora, em 2021, onde o ajudaram a preparar o seu CV e a candidatar-se a diferentes ofertas de emprego em empresas da sua zona. Em dezembro desse mesmo ano, as técnicas Incorpora do Centro Social de Soutelo encorajaram-no a candidatar-se a uma oferta de emprego para trabalhar como porteiro na Casa Angola Internacional, uma empresa que colabora com a entidade Incorpora Santa Casa da Misericórdia da Maia.

Carlos recebeu a boa notícia: foi selecionado e assinou um contrato com a empresa para trabalhar como porteiro a tempo parcial. Algum tempo depois, graças ao seu bom desempenho e à sua predisposição, ampliaram-lhe o contrato para tempo inteiro, alcançando, assim, o seu principal objetivo e sentindo-se, mais uma vez, um membro ativo da sociedade.

Atualmente, Carlos continua a trabalhar na Casa Angola Internacional, onde se sente acolhido e integrado e gosta muito do trabalho que desempenha diariamente.

O programa Incorpora Portugal continua a ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade e empresas

O programa Incorpora Portugal é uma ligação entre empresas, como a Casa Angola Internacional, que desejam reforçar as suas políticas de responsabilidade social corporativa, e pessoas em risco de exclusão social, como Carlos, que procuram apoio para alcançar a integração laboral.

Graças às 56 entidades que participam no programa Incorpora em Portugal e à colaboração de 470 empresas, até ao final de novembro de 2022, conseguiram-se 1569 integrações laborais, 157 das quais de pessoas com deficiência intelectual ou física.

Espera-se que, nos próximos tempos, estes números continuem a aumentar e que mais  pessoas que se encontram numa situação de vulnerabilidade, como era o caso de Carlos, consigam alcançar os seus objetivos.

Partilhar:

linkedin