O noticiário Jornal da Noite apresenta o programa Incorpora na sua reportagem "Um emprego à medida"

O noticiário Jornal da Noite apresenta o programa Incorpora na sua reportagem

O conhecido noticiário Jornal da Noite, transmitido na SIC, noticiou o trabalho do programa Incorpora Portugal numa reportagem especial realizada pela jornalista Ana Paula Vieira, intitulada "Um emprego à medida". Nele, foram apresentados o papel e os principais objetivos do programa, bem como alguns técnicos do programa e beneficiários que nele participaram e que alcançaram o que tanto precisavam: a inserção laboral.

Ver reportagem Um emprego à medida

Incorpora Portugal, 4 anos de apoio personalizado a empresas e grupos vulneráveis

O programa Incorpora da Fundação ”la Caixa” nasceu em Espanha, em 2006. Desde a sua chegada a Portugal em 2018, 8909 pessoas em risco de exclusão social trabalharam ao lado dos seus técnicos para melhorar a sua situação pessoal e, sobretudo, profissional. As 58 entidades Incorpora espalhadas pelo país têm sido fundamentais para a inserção sociolaboral de grupos vulneráveis, especialmente desde que a pandemia da COVID-19 acabou com milhares de postos de trabalho, pois criam itinerários de formação personalizados para cada beneficiário e oferecem aconselhamento e apoio à medida.

O programa Incorpora é também muito benéfico para as empresas do país em todos os tipos de setores, pois presta serviços de apoio a processos de seleção de pessoal e ao fomento e à melhoria da responsabilidade social corporativa. Durante o primeiro semestre de 2021, 1066 empresas decidiram colaborar com o programa em Portugal, mais 430 do que no mesmo período do ano anterior, o que mostra que o trabalho do Incorpora está a tornar-se mais conhecido e mais valorizado pelos empresários portugueses.

Histórias de superação e inserção laboral com as entidades Incorpora

Uma das utilizadoras que aparecem na reportagem "Um emprego à medida" é a Cecília, que explica que, até há pouco tempo, estava desempregada. Dirigiu-se à Cruz Vermelha Portuguesa- Delegação de Braga, entidade Incorpora, onde recebeu o acompanhamento e o apoio de que necessitava para encontrar um emprego que lhe permitisse conciliar a sua vida familiar com o trabalho, problema muito recorrente, especialmente entre as mulheres, e que não é nada simples. Depois de ser acompanhada pelo programa, foi contratada pela Cáritas de Braga para fazer trabalhos de limpeza e dar apoio na cozinha, tendo superado todas as expetativas que a entidade empregadora tinha dela.

Outra das histórias documentadas na reportagem é a do Rúben, um jovem que ficou desempregado na sequência da pandemia, tal como a sua mãe e tantas outras pessoas no país. Decidiu confiar no programa Incorpora, onde recebeu o apoio e o acompanhamento dos seus técnicos, e, graças a isso, conseguiu um contrato numa empresa que lhe permite conciliar com os seus estudos e onde está a aprender diversas funções.

Por último, a reportagem relata o caso do Joaquim, um administrativo que começou a trabalhar aos 14 anos de idade e ficou desempregado aos 49 anos. Então, enfrentou a realidade: encontrar um trabalho para maiores de 45 anos é mais complicado do que muitas pessoas pensam. Esteve 3 anos desempregado, o que o levou a uma grande instabilidade pessoal e económica. Por fim, procurou o programa Incorpora, que tem técnicos especializados em ajudar pessoas que, como ele, têm a experiência e o desejo, mas não encontram uma oportunidade. Hoje, pode explicar com satisfação que, graças à sua passagem pelo programa Incorpora, tem um emprego com o qual se sente realizado.

O programa Incorpora continua a sua luta contra a desigualdade de pessoas em risco de exclusão social

A reportagem "Um emprego à medida" terminou com alguns dados reveladores: segundo um estudo realizado pela Fundação Manuel dos Santos, um quinto da população é pobre, e Portugal é já o oitavo país da União Europeia com um nível maior de desigualdade, especialmente entre os grupos vulneráveis.

O programa Incorpora continuará a lutar contra esta situação ajudando pessoas em risco de exclusão social, tais como pessoas com incapacidades, maiores de 45 anos, jovens e pessoas migrantes, a conseguir a inserção laboral e a orientar as empresas na procura de pessoal qualificado e motivado, promovendo, assim, a sua responsabilidade social corporativa.

Partilhar:

linkedin